Uma pesquisa realizada na Universidade de Colorado, Boulder, ajuda a explicar porque a venda e os vícios em analgésico cresceram nos últimos anos. O estudo descobriu que analgésicos causam dependência além de aumentar a dor crônica.

Analgésicos causam dependência

Vale lembrar que os analgésicos são drogas potentes que interferem na transmissão dos sinais elétricos do sistema nervoso que percebemos a dor. Ele não trata a causa, apenas te ilude a não sentir dor. Quando o corpo está em dor, sinais são enviados que as células gliais lugar em alerta máximo.

O que acontece depois de alguns dias de tratamento com morfina, é que são enviados sinais repetidos para as células causando uma cascata. Por sua vez esta cascata produz um sinal de célula a partir de uma proteína chamada interleucina-1 beta (IL- 1b), o que aumenta a atividade das células nervosas na medula espinhal e cérebro, resultando em dor crônica intensificada que dura vários meses.

“Neste estudo, foi descoberto pela primeira vez que mesmo uma breve exposição aos analgésicos podem ter efeitos negativos a longo prazo sobre a dor”, disse CU-Boulder professor assistente de pesquisa Peter Grace, membro do corpo docente do Departamento de Psicologia e Neurociências. “Nós descobrimos que o tratamento foi contribuir para o problema.”

“As implicações para pessoas que tomam remédios como a morfina, oxicodona e metadona são grandes, uma vez que mostram a cura de curto prazo e podem trazer consequências devastadoras de tornar a dor pior e mais duradoura”, disse o professor Linda Watkins da CU-Boulder. “Este é um lado muito traiçoeiro para analgésicos que não tinha sido reconhecido antes.”

Pesquisa ajuda descobrir porque analgésicos causam dependência

Se essas descobertas são verdadeiras, elas ajudam a explicar o ciclo vicioso do uso de prescrição dos analgésicos. Pois, o fato de mascararem a dor, faz com que ela continue ali e piore.

Contudo, essa dependência pelos analgésicos pode começar depois de um período relativamente curto de tempo, e é fácil perceber como esse efeito pode estar contribuindo para a epidemia de vícios que tem crescido nos últimos 15 anos. A pesquisa continua em análise, e a próxima fase vai valer a pena dar uma olhada.

O estudo foi publicado pela Proceedings of the National Academy of Sciences.

Fonte: Forbes