Quando comecei a ter a ideia de virar mochileira pensei nos aprendizados que todas as experiências na estrada poderiam me trazer. Eu sinto que a vontade de estar viajando é além do meu corpo físico. E acredite você ou não, mas eu sei que meu espírito é mochileiro. E aliar o mochilão e busca espiritual me faz realmente me sentir realizada.

Eu acredito em mundo melhor para as futuras gerações, mas sei que isso só vai acontecer se partir de mim – de cada um de nós -. Me mudo internamente para mudar o externo.

Percebi que os ambientes que eu frequentava já não me traziam algo novo, não me sentia saindo do lugar, evoluindo. Então busquei mudanças que me trouxessem desapegos, desconstruções, construções, aprendizados, experiências autênticas, única, para uma vida nova.

 

O caminho é desafiador e recompensador

Viajar por viajar, todo mundo pode fazer. Mas, viajar com o objetivo de evoluir espiritualmente, de trazer harmonia para a Terra, é desafiador. E por muito tempo eu viajei sem esse propósito, até passar por uma experiência que me mostrou que eu só seria feliz aprendendo a evoluir minha espiritualidade.

Quando digo espiritualidade, não quero dizer espiritismo, são duas coisas bem diferentes. Espiritualidade não envolve obrigatoriamente uma religião, mas a evolução holística do meu ser (físico, mental e espiritual).

 

Ainda morando na minha cidade eu já havia sido iniciada no Reiki Usui, frequentado um centro budista, espírita e a União do Vegetal, onde consagrei a Hayuasca pela primeira vez.

O contato com a natureza também me ajudou a me entregar aos poucos a esse caminho de mochilão e busca espiritual. A mãe terra sempre falou comigo, e sempre me senti livre e bem em contato com ela. Acampar no meio do mato, fazer uma fogueira, nadar no mar, sentir o vento da praia. Acredito que foram esses processos que me fizeram despertar e iniciar um novo caminho, sendo uma nômade.

Mochilar: aprendizados e o caminho da espiritualidade

No primeiro lugar que fiz voluntariado, tive condições de pagar para um exame da aura. Feito com uma máquina russa que mede seu campo eletromagnético através de cálculos físicos. Essa foi a prova física que eu precisava para comprovar minha mediunidade. Depois comecei a me interessar por astrologia e Sincronário da paz. E tudo começou a fazer ainda mais sentido.

Descobri a Yoga e aliei ela à meditação, práticas que me ajudam a diminuir a ansiedade, a refletir melhor, a sentir o universo em mim. E então, em maio desse ano eu fui para um lugar sagrado chamado Cidade Escola Ayni, lugar que trabalha com princípios de sustentabilidade, permacultura, bioconstrução, e edução alternativa. Lá eu me conectei ainda mais com a mãe terra, e participei de algumas vivências que me ajudaram a lembrar o meu propósito de vida: servir o universo, servir à Deus, à Deusa, à Mãe Terra, para que a harmonia e o amor prevaleçam.

Eu estou à disposição

Foi depois dessa descoberta que eu me entreguei ao universo e disse à ele: Eu estou à disposição. Quando afirmei isso, tudo começou a fluir de uma maneira inacreditável. Portas começaram a abrir, oportunidade a surgir.

Iniciei uma formação em Bioterapia Holística e criei uma vivência chamada o Despertar do Beija-Flor, com base em todas as experiências que vivi, com objetivo de transmitir para as pessoas o despertar que eu tive. Trazer à tona o amor ao outro, o propósito da vida. E já consegui a oportunidade de realizá-la em alguns espaços, onde a gratidão de todos me preencheu de amor.

As oportunidades que surgem no caminho espiritual

Se você está no caminho, ele também está com você. Na minha jornada, sem procurar, me encontro com mestres, bruxos, xamãs, que sempre me ensinam um pouco. As medicinas sagradas aparecem com mais facilidade, e o meu caminhar se tornou mais fácil, porque eu confio no universo.

Eu aprendi a consagrar o Rapé, e participei de diferentes tipos de rituais com a medicina da Hayuasca. O universo também me presenteou com um (re)encontro com a Tribo Totipah, mestres que me iniciaram no Ma’he’o Reiki Xamânico. Experiência que está me trazendo muito aprendizado.

Lugares que realizam práticas espirituais

No caminho aparece diversos lugares mágicos. Mas é possível também procurar por eles. A maioria das ecovilas, comunidades alternativas tem princípios que também se baseiam na evolução espiritual, e normalmente são esses lugares que trabalham com permacultura, bioconstrução e de praxe recebem voluntários. É assim que tenho seguido meu caminho, e assim que quero continuar.

Gratidão!